04/08/08

Paradoxal mas real

Festival do último Sábado, em Sengawa, Tóquio (a 300m da minha casa)

Na vida de um privilegiado há cheiros, faces e ritmos que pulsam energia. A intensidade transforma-se numa rotina diária, a feromona induz-se ao sabor de visões que nos elevam ao céu e a multi-culturalidade torna-se banal já que embaixadores de todo o mundo partilham o melhor que os seus povos têm para oferecer. Diariamente se viaja, o mundo gira na ponta dos dedos e os grilhões do sistema não se fazem sentir. As oportunidades abundam, acreditamos no Humanismo e a liberdade existe por entre uma matriz de escolhas auspiciosas. Sentimos o frémito de estar vivos, o ter saído da gruta e o paradoxo de estar aqui...

"Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer"
Geraldo Vandré (1935 - ?)

Um Espanhol das Canárias mas que facilmente podia ser das ArábiasA ponte Rainbow vista de Odaiba, em Tóquio, Japão Pedidos e agradecimentos aos Deuses, num templo perto de si

1 comentário:

Andorinha Voa Voa disse...

Estas fotografias dão muitas saudades de Tóquio...é, realmente, um privilégio. Aproveita bem:)

PS: a praia do Castelejo é a de Vila do Bispo/Sagres, vizinha da Cordoama:)