10/09/05

Andanças Europeias

Numa noite fria de Fevereiro uma ideia aqueceu-me. A ideia cresceu e ganhou forma num turbilhão de desejos de mobilidade. Sonhei deambular por terras Europeias antes de rumar ao país do sol nascente, tendo por único mote o olhar.

Os parcos recursos de professor contratado ditaram uma criteriosa pesquisa nas (benditas sejam!) companhias aéreas para pés descalços e, ao sabor de excitantes combinações mentais, construiu-se um mapa de andanças para o Agosto que se avizinha.

/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\
OUTPUT:
De mochila às costas, em solitário, sem repetir rotas, 25 dias em 6 capitais europeias.
Lisboa - Londres - Amesterdão - Budapeste - Bratislava - Viena - Varsóvia - Lisboa
/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\--/--\

O projecto Agosto 2005 hibernou e envolvido pela azáfama da escola, as férias chegaram num fósforo.

I - LONDRES (3-9/08/2005)
Muitos mundos reunidos num só. O pulsar da diversidade e da etnicidade numa cidade plena. O passado e o presente coexistem harmoniosamente e uma exuberante multi-culturalidade atrai o olhar.
Gostei das pessoas. Escassos dias antes o terror tinha descido ao metro, bem visível no intenso policiamento, mas os rostos não espelhavam o medo. O clima apesar da (má) fama esteve a meu favor - sol, calor e sandálias.
O Melhor: *A diversidade étnica de Chinatown, Soho ou Peckham Rye *O verde de Highgate Hill *A arte do Tate Modern *O frenesim das pessoas em Trafalgar Square *

II - AMESTERDÃO (9-15/08/2005)
Passear à toa por entre as bonitas e bem preservadas (que longe estás, Lisboa!) casas do séc. XVI, sonhar com as charmosas casas barco que povoam os inúmeros canais e viver a cidade numa bicicleta. Afastando-nos das rotas turísticas, somos envolvidos pelo bucolismo e pacatez holandesas.
A cidade é bonita, descontraída e ... aborrecida, povoada por gente individualista e discreta. Não serão um povo caloroso mas é possível observar que têm um ritmo de vida descontraído. A cidade é relativamente pequena, calma e percorre-se em poucos dias. Os Coffee Shops e o Distrito Vermelho depressa se tornam monótonos e muita coisa encontra-se completamente "turisticalizada".
O Melhor: *Tarte de maça na Villa Zeezicht *O uso massivo da bicicleta *As casas bonitas que ladeiam os canais *

III - BUDAPESTE (15-21/08/2005)
O Danúbio é encantador e cheguei a tempo do famoso festival de verão Sziget (o prato do dia foi Nick Cave e os Bad Seeds). As verdes colinas de Buda, a animação de Peste e o serpentear do rio são imagens coloridas que alimentam qualquer sonho de Verão.
Nas minhas explorações afastei-me dos trilhos turísticos e pude ver uma Budapeste mais real, nua e crua. Nos banhos Húngaros a tradição Otomona/Romana encontra-se preservada. Abandonei-me ao prazer corporal como um Romano decadente (embora faltassem as jovens lascivas a espalhar óleos perfumados no meu corpo). Usei sandálias q.b. e convivi intensamente com os simpáticos nativos.
O CouchSurfing proporcionou-me outra visão da cidade e vivências inacessíveis a um simples turista e a oportunidade de ser guiado pela Kinga através das terras e da alma húngara.
O Melhor: *O Dánubio *A Kinga *A vista nocturna a partir da colina Gillert *Os banhos Húngaros *

IV - BRATISLAVA e VIENA (21-24/08/2005)
Uma agradável viagem de comboio levou-me para Bratislava, com o Danúbio sempre presente, a embelezar o meu percurso. Fui encontrar uma cidade pequena e bonita, que se explora facilmente em 2/3 dias e, "at last but not at least", barata. A localização da cidade é fantástica e poderá servir de ponto de partida para explorar as lindíssimas montanhas Tatra e a parte leste da Eslováquia (com paisagens de tirar a respiração). E Viena está a uns meros 60Km...
A minha anfitriã (Zuzana) foi incansável na divulgação dos hábitos e cultura Eslovaca. Mostrou-me os locais de maior interesse, dedicou-me palavras amigas, conselhos valiosos e sorrisos calorosos. Viva o CouchSurfing!

Post-scriptum: Na minha excursão a Viena, encontrei uma cidade imponente e bela, senhora de um passado/presente requintado. Embalei-me mentalmente com os quadros de Klint, com a filosofia de Wittgenstein e com a música vienense a ecoar na minha imaginação.

O Melhor: *A hospitalidade da Zuzana *As paisagens devastadoras *A comida saborosa *

V - VARSÓVIA e ZAKOPANE (24-28/08/2005)
As asas de um Embraer 120 (com capacidade para 30 passageiros) permitiram-me reencontrar a querida Aneta e constatar o cosmopolitismo de Varsóvia em todo o seu potencial.

Tínhamos por planos visitar, durante dois dias, as montanhas do Sul Polaco - os Tatra. Dormimos num hotel comunista e sem receios afirmo que Zakopane foi dos momentos áureos de toda a minha viagem - as casas assumem formas extravagantes que se assemelham a árvores de natal, as colinas verdejantes estão povoadas de vaquinhas e ovelhas simpáticas, os regatos de água serpenteiam pelos vales e encostas, tudo é verde e as montanhas estão repletas de pinheiros que se esticam para o céu.

No 1º dia descemos o rio Dunajec, 18Km de jangada através das fundas gargantas rochosas dos Tatra, o murmurar da água, o verde da paisagem e os cheiros conduzem-nos a um orgasmo tranquilo. Durante toda essa tarde fui livre.

No 2º dia apanhamos um mini-bus em direcção ao sopé das montanhas e fizemos trekking pela montanha acima. Depois de muito subir, um céu de lagos e cumes escarpados. O êxtase da montanha. Regressei a Varsóvia suspirando pelo regresso.
O Melhor: *A Aneta *As montanhas Tatra *Glamour Polaco*

VI - A RESSACA DO REGRESSO
Regressei e demorei 2 dias para interiorizar o facto de que tinha regressado à minha pátria - deixei de ser um back-packer para passar novamente a ser um cidadão. E aqui estou: entre o prazer de voltar e o desejo de partir.

NOTA: O CouchSurfing foi uma forma extremamente agradável de conhecer pessoas interessantes e de conferir calor humano/social aos sítios visitados. Além disso, arriscamo-nos a criar amizades...

AGRADECIMENTOS:
À comunidade CouchSurfing, Carmel, Inês, Carolyn, Linda e a todos os convidados que estiveram presentes na festa, João Grilo, Judi, Cláudia, Lídia, aos 2 Macedónios do camping, Stan da Man, Kinga e todas as pessoas a que ela me apresentou, Harpad aka "Chica de la Sierra", Zuzana, Monika, Aneta, Ania de Poznan e a todos os desconhecidos que me ajudaram.

4 comentários:

Anónimo disse...

Continua a viver a vida intensamente e a absorveres o que de melhor encontrares pelas tuas andanças.
Espero ver brevemente uma descrição de Tokyo.
Abraço: Sérgio Figueiredo

Pedro B. disse...

Também quero!

Abraço

Anónimo disse...

acabei de reviver a minha viagem de alguns anos atrás...

gostei do blog e vou estar atenta!

beijo da marta amaro

Anónimo disse...

este poema pôde ser maçante
eu sou pesaroso sobre aquele
eu tenho somente uma desculpa
que não falo sua língua bonita

Eu estou muito contente
que você recorda me
Eu recordo ainda
muito bem o que uma
estadia agradável eu tenho com
"Xica da Silva from Brazil Telecom"